Você sabe como é feito o processo de seleção de riscos para os projetos de segurança relacionados a sistemas de comando?

Escrito por Josue Evandro Conchi

Publicado em 3 de março de 2021 · 5 minutos de leitura

O mundo já entrou na era da Quarta Revolução Industrial e o mundo tecnológico avança cada vez mais. Em meio a isso, o avanço do setor secundário também faz com que as máquinas das indústrias sejam mais seguras, no entanto, isso não isenta a necessidade de haverem normas para a segurança e o cálculo de riscos.

Você já parou para pensar como é feito o processo de seleção de riscos nos projetos de segurança? Se ainda não pensou ou esteja precisando saber como isso é realizado, nesse artigo, elucidaremos em um passo-a-passo, a maneira como se dá essa análise e seleção de riscos nos projetos pautados segundo as regras da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), mais especificamente na NBR 14153 – item 4.3 em alinhamento com a NBR 12100 – sobre segurança de máquinas e partes de sistemas de comando associados à segurança.

Veja também: Estimativa de Risco na NR12.

Quais são os passos para seleção de riscos para os projetos de segurança relacionados a sistemas de comando?

processo de seleção de riscos

Passo 1 (pelo seguimento do guia da EN 292-1 e NBR 14009 – NBR 12100 em atualização)

Passo 1.1.: Identificação das partes da máquina: análise de perigos

O primeiro passo do processo de seleção de riscos consiste em categorizar as interfaces e influências da máquina entre as que podem causar riscos e as que não podem. Esse é o pontapé para realizar a análise de segurança e é feita averiguando tanto as partes relacionadas à segurança quanto aquelas que não estão associadas à segurança do sistema de comando. Nesse passo, é preciso identificar quais os riscos derivados dos perigos da máquina. Em concomitância com o próximo passo, a contribuição à redução do risco pode ser especificada dentro da apreciação do risco da máquina, de acordo com a NBR 14009.

Passo 1.2.: Apreciação de riscos na máquina

Previsto pela NR-12, quanto mais itens identificados como riscos no passo 1.1., mais detalhada será esta etapa, que consiste na análise dos riscos e a avaliação deles (a inversa da sentença sobre o detalhamento dos riscos é verdadeira, isto é, quanto menos perigos identificados, menor será a apreciação do projeto em análise). Durante essa etapa, será possível identificar a máquina com risco: “desprezível”, “baixo”, “alto”, “muito alto” ou “inaceitável”.

De acordo com a característica categorizada, é possível inserir a redução de risco adequada a ela. É fundamental que os projetistas atuem segundo as normas técnicas, aplicando medidas de projeto 100% seguras, que instruam e especifiquem as capacitações necessárias para operar as máquinas, além da indicação de sinalizações e dos equipamentos de proteção individual necessários para a utilização da máquina em questão.

Passo 2: Decidir medidas para atingir a redução de riscos

As partes e peças do sistema de comando da máquina que contribuem como parte integral das medidas de projeto de segurança e proteção precisam ser tratadas e associadas a parte do sistema de segurança. Isso fará com que essas peças sejam igualmente analisadas e, portanto, sejam tomadas medidas sobre elas que ajudam a atingir a redução de riscos.

Passo 3: Especificação dos requisitos de segurança para as partes de sistemas de comando relacionadas à segurança.

Esse passo é de extrema importância pois implicará diretamente sobre os dois passos seguintes, podendo causar o reprojeto caso ele seja feito de maneira equivocada. Se divide em duas etapas:

Passo 3.1.:

Primeiramente, é necessário especificar as características das funções de segurança, que vão desde as generalidades da máquina até flutuação, falta e retorno das fontes de alimentação.

Passo 3.2.:

Após a especificação, será o momento de realizar as funções de segurança para que a proteção seja atingida.

Passo 4: Projetar as partes relacionadas à segurança

Nessa etapa, é feito o projeto das partes dos sistemas de comando que estão relacionados à segurança, bem como a verificação desse processo, baseando-se nas especificações desenvolvidas no passo 3 desse guia.

Será necessário listar os aspectos que dão base lógica para as especificações encontradas e validar o projeto a cada novo estágio dele para ter certeza que as partes relacionadas à seguranças estão todas cumprindo os requisitos da etapa anterior.

Passo 5: Validação

O 5º e último passo consiste na validação geral do projeto a partir da análise das funções e categorias de segurança atingidas, além da verificação delas com relação às especificações do passo 3 do processo. É o passo mais importante, pois garante que nenhum equívoco foi cometido e, caso tenha ocorrido, será o momento para identificar onde ocorreu, retomar o passo-a-passo e reprojetar para que não existam problemas de segurança.

Em caso de essa leitura ter sido útil para você, compartilhe com que você acha que precisa saber dessas informações!

Além disso, veja também: Defeitos e falhas nas tecnologias segundo a NR12.

Deixe o seu comentário

Participe do nosso grupo de Telegram!

Tudo sobre NR 12, incluindo materiais gratuitos, planilhas de controle, modelos de análises de risco e uma comunidade engajada sobre NR 12!
Mais artigos relacionados

Materiais Gratuitos!

Confira todos os materiais criados pela Normatiza para engenheiros, técnicos e relacionados a NR 12!

Falar no WhatsApp
1
💬 Falar com especialistas em NR 12
Olá!
Fale com nossos especialistas em NR 12 e conheça mais da Normatiza!