Saiba como fazer a estimativa de risco de uma máquina!

6 minutos de leitura

Escrito por Josue Evandro Conchi

Publicado em 17 de junho de 2020

Participe do nosso grupo de Telegram!

Tudo sobre NR 12, incluindo materiais gratuitos, planilhas de controle, modelos de análises de risco e uma comunidade engajada sobre NR 12!

A estimativa de risco está dentro da metodologia da Norma Regulamentadora número 12 (NR 12), na qual é um instrumento voltado à prevenção de acidentes durante o trabalho com máquinas e equipamentos.

Organizar as atividades dentro de uma indústria, e ao mesmo tempo atender aos requisitos de Segurança do Trabalho, fazendo a estimativa de risco e evitando acidentes.

Portanto, mantendo os níveis de produtividade sempre aceitáveis, sem dúvida não é fácil.

Por isso, a NR 12 passar por atualizações periódicas, com intuito de ser aplicável, e não comprometer o rendimento dos profissionais, tampouco sobrecarregar o maquinário.

Na última adequação a fase da Apreciação de Risco teve mais ênfase, e esta, de acordo com a NBR ABNT 12100 (baseia os procedimentos técnicos da NR 12) se estrutura da seguinte maneira:

  • Determinação dos limites da máquina;
  • Identificação dos perigos;
  • Estimativa de risco.

Hoje conversaremos sobre esse terceiro ponto, a estimativa de risco.

Qual o limite da máquina na NR-12 e na NBR12100?

O que é estimativa de risco?

Primeiramente, a estimativa de risco é o processo identificador de quais situações de perigo rodeiam a máquina ou equipamento.

Portanto, a estimativa de risco visa apresentar os elementos de risco (dados essenciais às aplicações futuras medidas de segurança).

De acordo com o texto da NBR 12100 essas informações servem a fim de medir a real necessidade de intervenção na máquina, por exemplo.

A partir da estimativa de risco o gestor ou projetista verificará se as decisões de aumentar a segurança foram eficazes, ou simplesmente terá dados técnicos para compor um manual de instruções.

Outro ponto importante é de todos os perigos e riscos podem ser mensurados, e por sua vez, documentados.

Em suma, não basta avaliar as situações perigosas, é preciso saber o que elas acarretam na operação, e transformar isto em dados aos responsáveis tomarem suas decisões.

Portanto deve-se realizar o procedimento de estimativa de risco.

Como realizar a estimativa de risco?

A primeira ação ao realizar a estimativa de risco, é relacionar a situação perigosa aos elementos de risco.

Deste modo teremos os tais parâmetros a fim de considerar na estimativa de risco.

Dessa forma, pensar em ações a serem feitas com objetivo de evitá-los.

Segundo a NBR 12100, dessa união temos as seguintes referências:

  • Gravidade do dano – o provável resultado do perigo estimado;
  • Probabilidade da ocorrência – aqui se mensura a chance de o dano acontecer, e se irá atingir pessoas ou se é somente um evento perigoso. E caso o risco seja inevitável, quais são as possibilidades de reduzir os danos.

A norma em questão ainda oferece pontos nos quais ajudam a categorizar esses elementos.

Essa diferenciação é possível quando medimos a Severidade do Dano, e assim teremos:

  • Leve, grave e fatal (correlacionados ao tópico gravidade do dano);
  • Atingirá 1 ou mais pessoas (extensão dos danos);
  • Muito provável, provável, Improvável e Remoto (sobre a possibilidade de o fato ocorrer).

Como ilustração da maneira de combinar esses parâmetros, veja abaixo:

  • Uma máquina está com vazamento de óleo, é provável de acontecer algum incidente com resultados graves a todos os trabalhadores operantes.

É comum estabelecer quadros ou tabelas ao incluir situações perigosas, e suas consequentes ações a fim de corrigi-las ou evitá-las.

A probabilidade da ocorrência de danos e seus fatores

No processo da estimativa de risco, essa avaliação das possibilidades dos danos tem destaque na NBR 12100. E elenca elementos como:

Exposição de pessoas ao perigo

Primeiramente, nesse elemento da estimativa de risco, se avalia:

  • A necessidade ou não de pessoas nas zonas de perigo;
  • Fazendo a estimativa do tempo de cada uma delas deve ficar no local;
  • Qual tipo de serviço executará (manutenção, ajuste, reparos, etc.).

Esse ponto é o onde indicará a autorização de cada profissional para determinadas máquinas.

Dessa forma, nessa etapa da estimativa, se define qual o nível de cargo no qual deve ocupar, por exemplo, a ter acesso a espaços com alto grau de perigo.

Ocorrência de eventos perigosos

Primeiramente, a ocorrência de eventos perigosos na estimativa de risco, trata-se da estatística atrelada às máquinas e equipamento.

A possibilidade de ocorrência de danos se baseia também no histórico de acidentes.

Também é realizada uma analogia entre outros riscos, e a distinção se o evento perigoso foi ocasionado por humanos ou um defeito técnico.

Possibilidade de limitar um dano

Primeiramente, na estimativa de risco junto a possibilidade de limitar um dano, são considerados vários fatores desde a qualificação do profissional até sua capacidade de reagir a um acidente no qual provoque algum dano.

E esse fator vai medir justamente o grau de ciência do risco.

Indicará se é necessário informar aos trabalhadores usando sinais de alerta ou manuais de instrução, por exemplo.

Outros fatores que influenciam a estimativa de risco

A fim de completar esse esquema e se projetar possíveis danos durante a atividade com máquinas e equipamentos, a NBR 12100 descreve as coisas nas quais não pode faltar.

Dessa forma, inclui-se na análise:

  • Pessoas expostas – todos os operadores expostos ao perigo;
  • Tipo, frequência e duração da exposição ao perigo – indica o modo de operação da máquina, e quais os danos prováveis;
  • Relação entre a exposição e os efeitos – mostra os possíveis acontecimentos quando se expõe, durante certo período, a um tipo de perigo;
  • Fatores humanos – esse item apresenta dados importantes, tais como o nível de conhecimento de alguns operadores. Muitas vezes é usado ao argumentar a necessidade de treinamento dos profissionais;
  • Adequabilidade das medidas de proteção – avalia se determinada ação de segurança vai atender à necessidade observada durante a Identificação do Perigo;
  • Possibilidade de burlar as medidas de proteção – considera quais são as ações nas quais podem ser interrompidas ou burladas;
  • Viabilidade das medidas de proteção – nos diz se as medidas de proteção são aplicáveis, e oferecerão toda segurança necessária. Essencial a fim de impedir a burla;
  • Informações aos manuais – a estimativa de risco também está pautada pelos dados descritos no guia de instruções do maquinário.

Considerações finais sobre a estimativa de risco

Lembrando, ao fazer a estimativa de todos esses fatores, uma ação deve ser elaborada a fim de completar o processo.

Na prática, o trabalho de realizar a estimativa de risco só termina quando indicamos o que deve ser feito, caso o evento aconteça.

Então, voltando ao exemplo da máquina com vazamento, precisaremos indicar quais são os profissionais nos quais devem ser chamados a limitar o problema, e se houver acidentes como proceder.

Todo esse mecanismo é necessário se pretende aplicar de forma assertiva a NR 12 no seu trabalho.

E a estimativa de risco será fundamental ao manter as atividades onde você coordena longe dos acidentes.

Saiba agora o que é a Apreciação de Risco?

Materiais Gratuitos para a NR 12!

Confira todos os materiais criados pela Normatiza para engenheiros, técnicos e SST!

Comentários

Artigos relacionados